Periodontia

É a especialidade da odontologia que estuda e trata as doenças do sistema de implantaçao e suporte dos dentes. Este aparelho é formado por osso alveolar, ligamento periodontal e cemento.

1. O que é doença periodontal?

Doenças periodontais, incluindo gengivite e periodontite, são infecções sérias que, se não tratadas, podem causar a perda dentária. A palavra periodontal significa literalmente “ao redor do dente”. A doença periodontal é uma infecção bacteriana crônica que afeta a gengiva e o osso, que suporta os dentes, podendo afetar um ou vários dentes.

Esta doença inicia quando a bactéria presente na placa ou biofilme bacteriano (película viscosa que constantemente se forma sobre os dentes) começa a inflamar a gengiva. Na forma mais branda da doença, a gengivite , a gengiva se torna vermelha, inchada e sangra com facilidade. Nesta fase, há pouco ou nenhum desconforto. A gengivite é causada por higiene oral inadequada, e é reversível com tratamento profissional e uma boa higiene oral doméstica.

Há indícios de que a gengivite não tratada pode evoluir para periodontite.  Com o tempo o biofilme bacteriano pode se espalhar e crescer por baixo da gengiva estimulam uma resposta inflamatória crônica, onde nosso organismo se volta contra si próprio, e tecidos e osso que suportam os dentes são atacados e destruídos. A gengiva se separa dos dentes, formando bolsas periodontais (espaços entre os dentes e a gengiva) que se tornam infeccionadas. A medida em que a doença (periodontite) avança, as bolsas se tornam cada vez mais profundas, e mais tecido gengival e osso são destruídos. Este processo destrutivo apresenta apenas sintomas brandos. Eventualmente, os dentes podem apresentar mobilidade, e ter de ser extraídos.

2. Causas da doença periodontal

A causa principal da doença periodontal é a placa bacteriana, película viscose que constantemente se forma sobre os dentes. Entretanto, fatores como os citados a seguir também podem afetar a saúde de suas gengivas.

Fumo: Como você provavelmente já sabe, o cigarro está relacionado com muitas doenças sérias como o câncer, doenças pulmonares, problemas cardiovasculares, assim como muitos outros problemas de saúde. O que você pode não saber é que os fumantes estão sob maior risco de apresentar doença periodontal. De fato, estudos recentes demonstraram que o cigarro pode ser um dos mais importantes fatores de risco no desenvolvimento e na progressão da doença periodontal.

Diabete Melito: Diabete é uma doença que altera os níveis do açúcar no sangue que se desenvolve por uma deficiência na produção de insulina (hormônio que é o componente chave no processo de consumo do açúcar no sangue pelo organismo) ou uma incapacidade do organismo de utilizar esta insulina corretamente. Se você é diabético, você tem um risco maior de desenvolver infecções, incluindo as doenças periodontais. Estas infecções podem diminuir a capacidade de produzir e/ou utilizar a insulina, o que pode dificultar o controle da diabete melito, como também pode tornar a infecção mais severa do que em indivíduos não diabéticos.

Genética: Pesquisas provam que mais de 30% da população pode ser geneticamente susceptível à doenças gengivais. Apesar de bons hábitos de higiene e cuidado oral, estas pessoas podem ser seis vezes mais predispostas a apresentarem doenças periodontais.

Gravidez e Puberdade: Escovar bem os dentes, usar fio dental, uma dieta saudável, e exercícios físicos regulares são importantes para manter uma boa saúde. No entanto, em determinadas fases da vida de uma mulher, estes cuidados devem ser redobrados. Fases como a puberdade e menopausa, ou ainda períodos menstruais e gravidez, são períodos de intensas alterações hormonais, que podem afetar diversos tecidos em todo o corpo, inclusive a gengiva. Esta pode se tornar sensível e até reagir agressivamente a essa flutuação hormonal, o que aumentaria a susceptibilidade à doença periodontal. Além disso, estudos recentes sugerem que mulheres grávidas que apresentam periodontite estão sob um risco sete vezes maior de ter um parto pré-maturo e bebês de baixo peso.

Estresse: Você já deve ter ouvido que o estresse está relacionado com muitas doenças sérias como hipertensão, câncer, assim como muitos outros problemas de saúde. O que você pode não saber é que o estresse também é um dos mais importantes fatores de risco no desenvolvimento e na progressão da doença periodontal. O estresse torna mais difícil para o organismo lutar contra infecções, inclusive as doenças periodontais.

Medicamentos: Alguns medicamentos como contraceptivos orais, antidepressivos, anticonvulsivos, e certos medicamentos para problemas cardiovasculares, podem afetar sua saúde oral. Assim como você informa ao seu médico sobre os medicamentos que faz uso, você também deve nos informar sobre os medicamentos em uso.

Parafunção: Alguém alguma vez já lhe disse que você range seus dentes à noite? Seu maxilar está dolorido por apertar seus dentes quando você está sob tensão? Apertar ou ranger os dentes submete os tecidos ao redor dos dentes a um excesso de força e pode acelerar a destruição dos tecidos periodontais em caso de doença.

Má Nutrição: Como você já deve saber, uma dieta pobre em nutrientes importantes pode comprometer o sistema imune e tornar mais difícil para o corpo lutar contra infecções. Já que a doença periodontal é uma doença infecciosa, a má nutrição pode piorar a condição de suas gengivas.

Outras Doenças Sistêmicas: Doenças que interferem no seu sistema imune podem afetar a sua saúde bucal.

3. Quando eu devo visitar um PERIODONTISTA?

Se você valoriza sua saúde bucal assim como sua saúde geral, qualquer hora é uma boa hora para nos visitar para uma avaliação específica de periodontia. Na maioria das vezes a doença periodontal somente pode ser diagnosticada através de uma avaliação profissional precisa realizada por um especialista. Uma avaliação periodontal pode ser especialmente importante se você apresentar alguma destas características:

  • Gengivas que sangram facilmente, durante a escovação ou uso do fio dental.
  • Gengivas vermelhas, inchadas ou flácidas que se afastam dos dentes.
  • Mal hálito persistente.
  • Presença de secreção purulenta entre os dentes e as gengivas.
  • Mudança de posição ou mobilidade dentária.
  • Alteração na forma com que seus dentes se encaixam entre si quando você morde.
  • Possui um membro da família que tem doença peridontal.
  • Possui problemas cardíacos, respiratórios ou diabetes.
  • Se seus dentes aparentam estar mais curtos ou o seu sorriso mostra muito a sua gengiva.
  • Se seus dentes aparentam estar mais longos ou com maior sensibilidade ao frio ou ao calor.
  • Presença de manchas ou depósitos de tártaro na superfície de seus dentes, principalmente próximo a gengiva.
  • Se você é fumante.

4. O que eu devo fazer para prevenir a doença periodontal?

A melhor maneira de prevenir a doença nas gengivas é através de uma boa higiene oral.

  • Escove seus dentes três vezes ao dia, após as principais refeições, com uma escova dentária de cabeça pequena e cerdas macias. Use fio dental a cada escovação e escovas interdentárias para higienizar os espaços entre os dentes.
  • Trabalhos protéticos como pontes fixas devem ser higienizados com fio dental e passa fio para prevenir doença nos dentes que a suportam. Faça-nos uma visita em intervalos de no máximo 6 meses. Isto possibilita o diagnóstico precoce da doença e permite a remoção de placa bacteriana e cálculo (tártaro).
  • Não fume, além de causar câncer, o fumo é um fator de risco para doença periodontal.
  • Tenha uma dieta balanceada, evitando excesso de açúcar entre as refeições para também prevenir cáries.

 

Fio Dental:

  • Use fio dental diariamente para remover a placa entre os dentes e abaixo da linha da gengiva, onde a escova dental não alcança.
  • É normal a ocorrência de pequenos sangramentos no começo do uso do fio dental. Com a freqüência do uso, ele deve passar. Se isto não ocorrer, procure o Periodontista.

 

Troque sua escova freqüentemente.

Se as cerdas de sua escova estão viradas ou desgastadas, compre uma nova. Uma escova gasta não irá limpar seus dentes adequadamente. Normalmente, uma escova dificilmente dura mais de 3 meses, quando usada corretamente.

Fonte: Instituto Brasileiro de Periodontia

Modificado por: Dra. Maíra Costa Lino

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!